Patente mostra como pode ser o serviço de streaming da Apple

Um dos principais desafios para a criação de um serviço de streaming de vídeo ou de um set-top box destinado a trabalhar com a televisão ao vivo é a interface. Sendo, indiscutivelmente, um dos elementos mais importantes, a capacidade de os usuários verem todos os canais disponíveis e facilitar a decisão na escolha do que assistir é extremamente importante e, em alguns casos, pode decidir a continuação ou a interrupção de um serviço.

É evidente que, embora a Apple já tenha considerável experiência em interface com a Apple TV e o tvOS, ainda está procurando formas de aperfeiçoá-los.

Em um documento publicado na terça-feira (5) pelo Escritório de Marcas e Patentes dos Estados Unidos, a patente de uma “interface de usuário com barra lateral de TV” dá dicas sobre as mudanças que a Apple acredita que podem ser feitas no layout da interface para TV. Na patente, a Maçã sugere o uso de uma barra lateral que poderia detalhar categorias e tipos específicos de conteúdo.

Ainda, a interface poderia ser usada para gerenciar os conteúdos de várias fontes, que incluem os principais serviços de streaming de vídeo como a Netflix e Amazon Prime Video, além da TV a cabo. Como observa a Apple, “embora o aumento de provedores de conteúdo visual no mercado possa parecer um benefício para o espectador, o grande número de escolhas e fornecedores dificulta a experiência de visualização”.

A interface obterá detalhes do conteúdo disponível de cada um dos provedores, incluindo dados relevantes que identifiquem a rede, o formato, a duração e assim por diante. Com essas informações, a tecnologia da patente aconselharia que os usuários selecionassem um programa da lista e acessassem uma página de destino onde seriam oferecidos várias temporadas e episódios de um programa de TV específico ou, no caso de um esporte, outro conteúdo que incluísse jogadores ou jogos relacionados a ele.

A barra lateral, como diz a patente, é o elemento mais notável, pois ela é usada para determinar quais tipos de conteúdo podem ser fornecidos ao usuário. Como exemplo, ela inclui uma lista de itens, como as opções de “Favoritos”, “Guia de Canais”, “Amigos”, “Assistidos Recentemente”, “Genius” e “Siri”.

Como seria de se esperar, a opção “Favoritos” forneceria uma lista de programas que o usuário teria assistido anteriormente para acessar rapidamente o próximo episódio, sem passar pelas listas.

O “Guia de Canais” traz o que parece ser uma interface baseada em cronograma, com opções para “assistir agora” a alguns programas. Nos casos em que houvesse programas que não estivessem disponíveis para o usuário, uma opção para “inscrever-se” seria apresentada na interface, levando o usuário a se inscrever no serviço para acessar esse conteúdo.

A interface de “Amigos” exibe uma lista de contatos do usuário que compartilham seus hábitos de visualização com pessoas selecionadas autorizadas a verem o que assistiram recentemente. Uma segunda seção inferior da categoria mostraria o conteúdo que os amigos de um usuário estariam assistindo naquele momento, separando os itens mais populares no topo da lista.

Do ponto de vista do usuário, a barra lateral divide-se em: programas de TV, filmes, aplicativos, pesquisa, configurações e minhas coisas, que, por sua vez, também é subdividida em outras categorias, sendo elas: Esportes, Crianças e Notícias.

Geralmente, a Apple registra uma série de pedidos de patentes semanalmente e, apesar de elas demonstrarem as áreas de interesse da companhia de Cupertino, não são uma garantia de que os itens mostrados apareçarão, de fato, em um produto ou serviço no futuro.

A Apple tem trabalhado forte na criação de conteúdo audiovisual original já há algum tempo, com um gasto de pelo menos US$ 1 bilhão no projeto até o momento. Especula-se que os primeiros protótipos desse trabalho farão uma aparição nos próximos meses, mas ainda não está claro como isso acontecerá.

Foi sugerido que poderia haver um pacote de serviço de streaming vinculado com o Apple Music, enquanto havia, também, a sugestão de que poderia ser disponibilizado um acesso gratuito para proprietários de dispositivos da companhia, com serviços de streaming de assinatura de terceiros em paralelo.

Embora o projeto continue sendo um mistério, o CEO da companhia, Tim Cook, reafirmou o compromisso dela com essa pauta durante uma videoconferência sobre os seus últimos resultados trimestrais. Além disso, ele também falou de seus planos para conteúdos audiovisuais originais.

“Vamos participar do mundo do conteúdo original. Assinamos uma parceria de vários anos com a Oprah”, disse Cook. “Hoje, eu não estou realmente pronto para estender essa conversa além desse ponto. Nós contratamos algumas pessoas em quem temos uma grande confiança. Elas estão trabalhando muito nisso. Teremos mais a dizer sobre isso depois”.

Fonte: canal tech

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *