Deu erro! Youtube sinaliza com direito autoral vídeos que possuem conteúdo público

Para poder proteger os detentores de direitos autorais, o YouTube usa um sistema de reconhecimento de pirataria chamado Content ID, que sinaliza ou, até em casos extremos, remove vídeos que tem conteúdos sendo usados sem permissão. Ele geralmente funciona bem, na maioria do tempo, mas está bem longe de ser perfeito.

Isso porque ela não está bem equipada para determinar se alguns carreamentos são de domínio público ou apenas protegidos sobre “uso aceitável”. Por mais que erros esporádicos sejam possíveis de serem relevados justamente por ser um processo automatizado, o problema passa a ser grave quando se encontra um padrão. Essencialmente quando isso interfere em questões públicas.

A questão foi levantada por um professor de música alemão chamado Dr. Ulrich Kaiser. Ele escreveu um artigo falando sobre seus vídeos, de teor educacional, terem sido sinalizados como conteúdo protegido por direitos autorais pelo Content ID. Ele disse que um dos seus vídeos tocava conteúdo musical em segundo plano, e que recebeu reivindicação do sistema automatizado da plataforma.

Acontece que a música era uma composição de Biber do século 17, publicado pela primeira vez em 1962, e assim, era de domínio público, segundo as leis alemãs. Ao contestar, o professor teve o vídeo restaurado. Ainda assim, ele ficou curioso quanto ao sistema, e criou uma conta de teste para descobrir mais sobre isso.

 

Ele publicou vídeos com músicas variadas, de domínio público, e em todas o Content ID sinalizou como conteúdo protegido. Ao contestá-las, tudo voltou ao “normal”. Mas a situação é problemática por conta do fato de todos os criadores das músicas estarem mortos, e as gravações serem antes de 1963, se encaixando como domínio público, segundo as leis alemãs, incluindo composições de Beethoven.

 

Ele observa que após as reivindicações serem liberadas, os vídeos receberam uma licença livre, que era eatamente o que pretendia. Mas, de qualquer modo, isso torna mais difícil para outros compartilharem as obras, que era justamente o objetivo do professor o tempo todo.

No fim das contas, o Kaiser conclui que esses filtros de upload, como o próprio Content ID, podem acabar prejudicando a distribuição de conteúdo cultural e educacional. Até o momento, o YouTube não se pronunciou sobre o assunto que, de fato, é um tanto curioso.

Fonte: Tudocelular 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *